É possível competir com grandes empresas na internet?

Tags: ,

Segundo os grandes veículos de comunicação do e-Commerce, o evento Google Retail Summit apresentou dados mostrando o sucesso da Black Friday 2018 para o comércio eletrônico… principalmente das grandes empresas.

Tanto o Google quanto estes veículos de comunicação voltados para o ramo do empreendedorismo quanto para lojas virtuais tentam exaltar a importância da data (Black Friday) e as oportunidades para as pequenas e médias empresas lucrem.

É uma atitude de bom intento com o objetivo de estimular as PMEs, mas não podemos viver de faz de contas ou mentiras achando que esse tipo de jornalismo (por vezes irresponsável) vá, de alguma maneira, ajudar os empresários de pequeno porte somente com palavras bonitas.

A competitividade na internet

Sim, as grandes empresas, que podem investir mais em propaganda (Google Ads, Face Ads, etc…), saem na frente até mesmo no ambiente digital.

Porém a competitividade é menos desigual do que na esfera física. Sua loja pode ser bonita e funcional na internet por preços acessíveis, diferente do empreendimento físico que requer cuidados com a infraestrutura, além de ter uma comunicação mais limitada com o consumidor.

Mas é verdade que você precisa ser visível na internet. Para o consumidor acessar sua loja, tanto no ambiente físico quando no digital, ele deve saber o seu endereço (no caso da internet, é o famosos www.minhaempresa.com.br). Porém, ao invés das pessoas gastarem gasolina para procurar sua loja, elas vão para o Google fazer a busca sem sair de casa.

competir com grandes empresas

Como o Ads afeta a competitividade nos buscadores

Desde que o Google lançou a ferramenta Google Ads (antigo Google Adwords) as pesquisas tiveram uma grande diferença.

Antes do Ads, as empresas que apareciam nas três primeiras posições eram as bem posicionadas segundo o ranqueamento do Google. Esta é a época de ouro do conteúdo de qualidade.

Se o seu site possuísse conteúdo de qualidade, fazendo com que as pessoas (e possíveis consumidores) ficassem lendo, assistindo ou navegando pelo maior tempo possível em sua página, o seu site ficava bem relevado no Google, assim sendo exibido nas primeiras posições quando alguém realizava uma busca.

Com o Ads, os primeiros sites que aparecem no buscador são aqueles que pagam quando um usuário busca uma determinada palavra-chave. O orgânico ainda existe (em maior quantidade, inclusive), porém é exibido mais abaixo dos resultados patrocinados.

Por um lado é bom, já que permite com que outras lojas que possuam conteúdo de qualidade apareçam na primeira página, já que quando uma loja se encontra em primeiro lugar há muito tempo é mais difícil de ela cair de posição. No entanto, como é de se esperar, empresas que podem pagar mais, mesmo sem ter um conteúdo de qualidade, surgem nas primeiras posições com o Ads.

competir com grandes empresas
As empresas de grande porte possuem mais investimento no setor de marketing.

Então é injusto a competição no Google?

Sim… é injusto, mas não na mesma proporção que no ambiente físico. A questão não é nem o Google em si, mas a internet.

A pequena e média empresa possui um orçamento mais restrito, usualmente com menos colaboradores, assim disponibilizando menos tempo para trabalhar em conteúdos e cuidados com a internet. Coincidentemente, mesmo empregando menos trabalhadores, a pequena e média empresa é uma das que mais emprega devido a alta rotatividade de colaboradores.

Porém é possível, hoje, ter uma empresa saudável somente com o digital, mesmo sendo pequena ou média. Grandes empresas utilizam metodologias eficazes que nem sempre requerem dinheiro, e essas metologias são aplicáveis no ambiente digital.

Essas técnicas são possíveis, em nível de planejamento e execução (este último em menor escala) para a pequena e média empresa. Confira o que algumas empresas de grande nome realizam, segundo constou no evento do Google Retail Summit:

1.-> Construção de vitrines:

As grandes empresas, antes mesmo de datas comemorativas, já planejam o portfólio com os produtos que entrarão em promoção (e quando), o estoque e o público alvo. Com o público alvo é possível fazer imagens para inserir no site remetendo ao publico consumidor (homem, mulher, jovem, velho, tecnologia, casa, livros, etc…).

2.-> Validação de estratégias:

Grandes empresas mensuram entrada e saída de produtos todo mês, afim de acompanhar quais vendem e quais não. Assim é possível realizar novas estratégias para os itens que permanecem e reforçar estratégias para aqueles que já vendem em boa quantidade para que se destaquem ainda mais. Também fazem o controle do estoque para aqueles que vendem bem (para não faltar!).

3.-> Construir autoridade na internet

Se a pequena e média empresa não possui um orçamento para o Marketing Digital, é bom ir se adiantando, porém é possível já começar a construir autoridade (a médio e longo prazo) sem necessitar pagar ferramentas de Ads.

competir com grandes empresas
Conteúdo continua sendo rei, mas não é mais sinônimo de competitividade justa

Um exemplo é construir conteúdo (textos e fotos) de qualidade. O empresário é perfeitamente capaz de fazer o texto, ou ao menos oferecer os dados para um profissional do texto realizar um artigo de qualidade, já que ninguém conhece tanto do produto\serviço como o próprio empresário.

Assim você pode até não aparecer nas três primeiras posições devido às propagandas, mas pelo menos estará, com o tempo, na primeira página da busca orgânica do Google.

Se já começou a separar um orçamento para o Marketing Digital, porém ainda se encontra perdido em como investir, uma boa ideia é contratar uma consultoria digital para não começar dando tiro no pé!



Autor: Vinicius Tarouco
Redator e Analista SEO, tem como objetivo em seus artigos ajudar você a tornar sua loja virtual mais prática e eficiente! Jornalista aficionado por tecnologia, livros e jogos eletrônicos.

Deixe uma resposta